Bem vindo (a) a página pessoal de Paulo César Barmonte

Rabiscos

Sou rabisco de múltiplas linhasDesenhadas pelo tempo.Cada traço conta um conto;Cada canto, um sentimento. Sou garranchos reordenadosApesar de emaranhadosUm misto de linhas numa coisa só.Se...

Compartilhe:
Quero ler...

O sal de Buíque

Quando o sol atravessava o céuTocava o grés revestido em sal,no Brejo de São José. Secavam-se os caldeirões encharcadosàs margens do puiu.Que enlameavam-se em brancura,diante...

Compartilhe:
Quero ler...

Sertão coroado

No sertão que já foi mar, o que mais há, é alga…Algaroba. Há também um reinado sem rei ou rainha.Lá, somente o chão tem coroas…De...

Compartilhe:
Quero ler...

Doido de lua

Certa vez, um alvoroçado. Desses chamados: “doidos de lua”. Admirando o clarão de um lindo céu de algodão, Fitou com assombro a sombra de um...

Compartilhe:
Quero ler...

Dias de mentiras

Quem diria que o dia da mentira Se expandiria em 365 dias. O que antes se fazia em pitadas, hoje é prática comum nas calçadas...

Compartilhe:
Quero ler...
Traduzir »