Bem vindo (a) a página pessoal de Paulo César Barmonte

Doido de lua

Certa vez, um alvoroçado. Desses chamados: “doidos de lua”. Admirando o clarão de um lindo céu de algodão, Fitou com assombro a sombra de um...

Compartilhe:
Quero ler este!

Dias de mentiras

Quem diria que o dia da mentira Se expandiria em 365 dias. O que antes se fazia em pitadas, hoje é prática comum nas calçadas...

Compartilhe:
Quero ler este!

O avesso do inverso

Meu verso é o avesso do inverso. O normal do contrário, sem contrariá-lo; O dizer do ser, sem nada expressá-lo; A voz do silêncio que...

Compartilhe:
Quero ler este!
Traduzir »