Azedoce travoso

Um azedoce travoso…
Nem limão, nem laranja brava.
Mergulhado a brancura do leite,
O branco se casa com o verde
Formando uma coalhada.

O nome dessa iguaria
Parece até cantoria
E olha só, quem diria?
Que um prato de umbuzada
Desmancha cara abusada.

Da fruta se faz o sorvete,
Ou picolé concentrado.
Doce, compota e geleia
De sabor acentuado.

Umbuzeiro, árvore forte.
Sombra dura, madeira de ripa.
Abundante em todo Agreste;
Quem conhece, jamais esquece.
Degusta, repete e faz rima.

Final de carnaval
É tempo de umbu…
Giqui, imbu, ombuzeiro.
Passando dos meses “eiros”
Abraçando a Semana Santa
No paladar nordestino.

A tal fruta esverdeada
Que não é limão nem laranja,
Marca seu azedoce travoso
No palato e na lembrança.

Desde os tempos de criança
À infância da velhice,
Matando a gulodice
Com sabor de quero mais!

Umbuzada é luxo matuto!
Alimento que satisfaz.
Iguaria para encher o bucho
Com sabor de quero mais.

Autor: Paulo César Barmonte

Compartilhe:
Traduzir »