Comunismo, capitalismo, crendices e pessoas

Política ainda é um convite para briga na atual sociedade brasileira, e grande parte das pessoas, ao discutir política, já têm uma bandeira a defender. Porém, baseando-se em achismos infundados, vazios ou enraizados em dados distorcidos. As pessoas comumente defendem algo sem ao menos entender a história por trás daquilo.

Todos os partidos políticos têm sua história fundamentada em ideologias e a todas elas cabe o ensejo pela justiça, pela liberdade, igualdade, paz e progresso. Contudo, a visão individual ou coletiva do que vem a ser esses ideais, acaba divergindo a ponto de descaracterizar a essência de um ou mais conceitos, transformando uma ideia central no arcabouço de um monstro moldado por interesses.

Capitalismo x Comunismo

Ao final da segunda guerra mundial, surgem duas novas potências econômicas no mundo: os EUA (que defendiam o capitalismo) e a União Soviética (que defendia o socialismo). Duas linhas divergentes que disputavam interesses econômicos no mundo inteiro.

No Brasil e em outros países sul-americanos, o comunismo era um sistema simpatizado e criava laços entre lideranças influentes da época. Porém, os EUA – com receio de perder sua influência e ser engolido pela influência dos soviéticos, passou a apoiar sistemas ditatoriais e incutir por meio da propaganda que o socialismo ou o comunismo, eram ameaças iminentes e deviam ser combatidas.

Denegrir por rotulações

A partir daí surgem histórias horrorosas e tudo quando se repudiava na sociedade era imediatamente vinculado ao comunismo. Pessoas de ideias contrárias ao pensamento capitalista ou que discordassem da liberdade imposta pelo radicalismo da época, eram imundas, traidoras, corruptas e más. Essas pessoas não tinham direitos, mereciam ser presas, espancadas, caladas. Tão somente pelo simples fato de pregarem a liberdade e o direito à igualdade, sem diferenciação de classes. Contudo, o capitalismo, pregava diferente:

O cidadão deveria produzir em larga escala e toda produção seria gerida por uma corporação que o remunerasse com o básico e obtivesse os maiores lucros e assim tivesse maior poder para controlar as massas. Antes pela escravatura, agora pelo trabalho. Isso manteria os indivíduos presos às classes e dependentes do capitalismo, no qual a regra básica é trabalhar para consumir e dos ganhos obtidos e produtos adquiridos, parte do dinheiro retorna para o governo em forma de impostos.

Manter países ricos em recursos naturais, na dependência dos norte-americanos, é uma meta a ser mantida. Assim, podem manter seus propósitos de crescimento e continuar com a manutenção do sistema que beneficia a eles mesmos.

Uma prova disso é que no governo lula, vimos o país entrar na rota do desenvolvimento econômico, estabelecendo acordos com a Rússia, a China, Cuba, e outros países comunistas. A má fama do comunismo, se deve ao fato de que sua essência filosófica não pode ser totalmente exercida porque o mundo entrou no idealismo dos EUA e o capitalismo tornou-se o sistema econômico padrão do globo.

Por mais que se queira, não há como pôr em prática o sistema econômico comunista em sua plenitude, diante de uma comunidade global que realiza transações fundamentadas pelas regras do capitalismo. O Socialismo ou comunismo passam a existir então, em forma fragmentada, a exemplo dos programas de inclusão social e da promoção social que dá ao cidadão comum a oportunidade de crescimento igualitário àqueles cresceram inseridos numa classe com melhores condições de vida.

Alguns dos programas sociais adotados, acabam não funcionando adequadamente, em virtude da influência capitalista, cujo interesse das grandes empresas está acima do interesse e bem estar da população que a eles devem apenas servir como instrumento de geração de renda.

Pequenas empresas, grandes interesses e adesões fascistas

A falsa crença de estar no time das grandes empresas, faz com que empresas pequenas, sintam-se parte da classe dominante e passem a imitar àquelas instituições. Assim, as pequenas empresas exploradas pelas maiores, passam a explorar seus servidores.

Recentemente vê-se a repetição da novela ocorrida no período da revolução de 1930, no qual os regimes ditatoriais tiveram largo apoio dos EUA e adotaram a premissa de que comunismo não presta.

Um governo sensato jamais aceitaria ceder vantagens aos EUA sem obter nada e troca. A não ser que o governo local, sinta-se equivocadamente integrante de um grupo maior, o grupo dominante do mercado global. Ilusão esta que só pode ser alimentada por um líder radicalista, extremista e que faz uso de conceitos deturpados para convencer a população e conquistar adeptos de seu sistema ditatorial supostamente democrático.

Estamos sendo conduzidos por grupos de extrema direita que dizem apoiar grupos controladores, preconceituosos e extremos que fazem uso do autoritarismo e apoiam punições severas por suas identificadas “desobediências civis”. Discordar das crendices e práticas sociais de certos grupos, acaba soando como uma ofensa, mesmo que nenhuma palavra seja direcionada a esses grupos. Alguns dizem levantar a bandeira do divino, e sentem-se guiados por Deus, para praticar e expressar o contrário do que diz o mandamento número 1 das Leis divinas: “Amai-vos uns aos outros como a ti mesmo”.

Felizmente, a conscientização e o entendimento ainda habitam na mente de grupos menores. E o respeito ainda paira na aura de alguns cidadãos. Há extremismos dos dois lados. E embora as pessoas estejam em lados opostos em suas crenças e conceitos defendidos. O respeito a experiência de vida de cada um, ainda é o maior símbolo na prática, de alguém que segue o primeiro mandamento bíblico e o direito constitucional de ser quem somos.

O comunismo e o capitalismo, o governo e a religião, são princípios que se divergem, mas em essência não cabe a maldade ou a bondade em nenhum desses sistemas e crendices. O que torna as coisas ruins ou boas não são os conceitos por trás dela e sim, as pessoas.

Quem dá vida às crendices?

Pessoas egocêntricas, avarentas, frustradas e com senso de superioridade (as classificadoras de classes), fazem uso do mau-caratismo e promovem a divergência social, o preconceito, o menosprezo, a violência e tomam por correto apenas os interesses que lhe trazem benefícios e tiram vantagem dos outros.

Pessoas que que pensam no próximo, que respeitam os demais e não diferencia pessoas, por classe, cor, opção sexual, aparência ou posses. Também têm ideais e lutam por eles, mas fazem isso sem agredir e sem humilhar. Elas falam abertamente para que todos saibam de suas insatisfações e assim fazem porque “não tem rabo preso”.

Todo mundo tem um pouco de capitalista e comunista, religioso e descrente dentro de si. E embora as opiniões sejam divergentes. É necessário conhecer a fundo a história daquilo que se defende. O comunismo no Brasil não é o mesmo da China ou da Rússia. Mas os propósitos, a essência, é uma só. A essência de Deus é uma só (o amor), embora Deus para uns seja o defensor de interesses pessoais, a justificativa para ações que Ele mesmo repudia no livro sagrado. Infelizmente, vemos pessoas que fazem de Deus, a imagem e semelhança delas mesmas. Infelizmente também, mitos líderes políticos fazem mau uso do poder. E o resultado disso é que vemos a sociedade adoecer, minar perante o poder e a soberba daqueles ao qual deveríamos estar elucidando-os com a verdade, combatendo as injustiças. Sem julgar as ações pela ideia limitada do que vem a ser bom ou mal? O julgo deve ser em função da ação e seu resultado, ou seja, suas consequências.

A essência do comunismo

Para entender o comunismo não precisa fazer muito esforço. Basta entender o significado do termo. Comunismo vem  da palavra “comum”, significa promover o igualitarismo a todos os cidadãos, sem definições sociais, tendo por base a propriedade coletiva. O comunismo prega a justiça, a igualdade, a luta pelo que é bom para todos; não é um sistema pela antidemocrático, terrorista ou perverso pregado por muitos graças à influência norte-americana que hoje faz parte do inconsciente coletivo de certas classes que pensam ser parte da classe dominante.

O Brasil é muito rico, apesar de mal administrado. Ele sempre tem a chance de crescer e crescerá. Mas, só se tornará uma grande potência mundial, quando seus cidadãos enxergarem uns aos outros com amor, com respeito, com irmandade e não como inimigos convivendo dentro da própria casa. O povo não precisa promover a guerra para obter a paz. Isso é coisa de norte-americano. Precisa-se apenas deixar o passado como exemplo, deixar de sonhar com o futuro e passar a viver o presente. Pois, o que se faz agora é o que define como será o amanhã.

Compartilhe:
Traduzir »