Preconceito Linguístico

Acuma é que nóis
Da terra ardente e feroz
Chacoteamo os amigo
Como se fosse inimigo?

Comigo, com ela ou você!
Todo mundo em seu dizer
Poderá num acaso cometer
Um novo erro linguístico.

O abismo da diferença
Faz residência nas crença.
Na fartura e na ausência
Da senhora educação.

E se falo errado, então
Aos zói dos bicudo letrado,
Não cabe a mim ser julgado
Tampouco ser rotulado em perversa mangação.

Pruque cultura é fartura.
Inté pra quem proseia errado.
E quem foi criado no mato
Não teve tempo pra livro.

Vevi no mundo escondido
Mas guardo em mim a ciência;
Um tanto bruta em essência.
Mas, rica no fraseado.

A minha cultura é de cores
Num grande campo riscado.
Com pés de cordéis multiflores;
Criados a pedra e carvão.

Sem mais, assim finalizo,
Dizendo para os amigo:
No meu português mal dizido,
Não quero ouvir um cochico
De preconceito linguístico.

Compartilhe:
Traduzir »