poesia

Graciliano Ramos em Buíque

Em 1895, viera para Buíque um ilustre menino,
Graciliano Ramos, sonhador de imaginação aflorada,
Chegou à terra abençoada, cenário que bem conheceria,
Nas tramas da vida e das letras, sua alma se embrenharia.

Compartilhe:
Quero ler...

Divagações

Vixe, que susto!Imaginação, ilusão ou vulto?Assobios, calafrios envoltos.Calçada sombria, arrepio nos pelos;esquinas vazias,pensamentos cheios… E se os ponteiros do relógio paradofossem movidos para o passado?E...

Compartilhe:
Quero ler...

Aqui

Aqui, a música residePendurada numa parede.As cores, das telas se jogam.Preenchem meu quarto com vida. Na estante, os livros são como janelaspara mundos infindos, longínguos.Contudo,...

Compartilhe:
Quero ler...

De que é feito o poeta?

De ideias e palavrasCultivadas pela mente.Multiversos singularesde nascentes e poentes. De saudade e melodia,Realismo e fantasia.O poeta é puro instintode ausência e demasias. Solidão e...

Compartilhe:
Quero ler...

Sob o clima jaz dos capotes

Percorri a cidade encharcadaenquanto a neblina escondiao além que dali eu não via.Era o céu sob um véu na avenida. Buíque era pura frieza,inteira brancura...

Compartilhe:
Quero ler...

Sertão coroado

No sertão que já foi mar, o que mais há, é alga…Algaroba. Há também um reinado sem rei ou rainha.Lá, somente o chão tem coroas…De...

Compartilhe:
Quero ler...

Doido de lua

Certa vez, um alvoroçado. Desses chamados: “doidos de lua”. Admirando o clarão de um lindo céu de algodão, Fitou com assombro a sombra de um...

Compartilhe:
Quero ler...

A ciranda encantada

No alto do céu de papel, uma lua de mel Assistia na rua do fel, o sopro lento do vento sobre um velho chapéu. Um...

Compartilhe:
Quero ler...

E nasce, e morre, e retorna

Um súbito estalo e voaram todos os pássaros: Carcará, coruja, jandaia e urubu! Tingiram o oco do céu, desaparecera o azul. Um amarelo dourado se...

Compartilhe:
Quero ler...
Traduzir »